top1

Politicalha

dema

Estou a viver refém em Macondo,
vilarejo real, um tanto quanto hediondo,
não o imaginário de Gabriel Garcia;
nada bueno cedo nem à  tarde Buendia.
Talvez me falte, de um destes, coragem
pra enfrentar a sacanagem
dos que arrotam, aqui, democracia
e, ab ovo, se arvoram,
em “pai dos pobres, mãe do povo”.
Panda sonolento invejando mamãe Úrsula,
guardiã incorruptível do oco São José,
inverso dos que travam e arrombam,
nesta terra, as portas do palácio
e, em vez de Arcádio, me veem palhaço.
Meu Deus, o que (não) fiz pra merecer?
Eis chegado o tempo das batalhas
da guerra sem limites dos canalhas.
Cobras reunidas numa grande paranoia,
sem temor, sem cuidados, sem pudor,
pra escrever um bel cardápio de tramoias
contra quem os ameaça no poder
ou ali os impede de chegar.
Mentiras e bravatas, horrorosas negociatas,
grana santa, não tão santa, grana tanta,
que a campanha não é barata.
Há fogo amigo, como há fogo inimigo,
tudo, porém, em favor do próprio umbigo.
Quem hão de pôr na cruz, ver expostos ao ridículo,
se uns e outros são do povo benfeitores,
amigos coirmãos dos eleitores?


 

 


“─ Construiremos pontes, vales, rios, montes
e os mais belos horizontes;
traremos mais estrelas para o céu;
tereis botina, pão francês e um bom chapéu.
Podem dar-nos seu aval, que somos de confiança,
depositem sempre em nós sua esperança:
os sem teto, os sem terra, sem saúde, sem trabalho,
sem salário, segurança, educação .... “
(e o caralho.)

No comando, com certeza, o trabalho será sério;
Far-nos-ão, seguramente, uma surpresa,
na “Papuda” haverá mais de um Ministério.
─ Mãe de Deus e nossa,
manda-nos chuva longa e grossa,
quatro anos, onze meses e três dias,
um a mais do que aquela de Garcia,
pra lavar a roupa suja que há nesta rouparia.

 

tsunami

 

 

 

direitos autorais de demasilva